Projetos de Extensão


EQUIPE DE TRABALHO

COORDENADORA: Profa. Dra. Vanessa Regina de Oliveira Martins
DOCENTE PARTICIPANTE: Prof. Ms. Guilherme Nichols
TÉCNICOS AUDIOVISUAIS: Regina Torres e Rodrigo Vecchio Fornari
TRADUTORES E INTÉRPRETES DE LIBRAS: SETILS


RESUMO DA ATIVIDADE:

Diversos estudos apontam os desafios para a aquisição da língua de sinais por crianças surdas, diante a falta de interação com falantes qualificados, de modo precoce, em seus contextos familiares. A maioria dos surdos são filhos de pais ouvintes que desconhecem a Libras e por isso, o peso da afirmação anterior e consequentemente a aquisição de linguagem tardia, em crianças surdas, é imenso. Nesse sentido, é comum que o primeiro contato com a língua de sinais, para as crianças surdas, ocorra no ambiente escolar.

Com o quadro de isolamento social pela pandemia do "Coronavírus" – COVID 19 - propomos a produção de tradução (Libras/Português) de materiais com conteúdos informativos acerca do COVID – 19 para que esses temas cheguem às crianças surdas, em suas casas e em Libras. O projeto investe numa "força tarefa" colaborativa (professores e técnicos da UFSCar) para que esses materiais cheguem aos pais de crianças surdas, como um suporte nas orientações em Libras à essas crianças e posteriormente eles poderão ter utilidades para docentes bilíngues, em escolas comuns (dado a falta de materiais em Libras).

O isolamento infantil de crianças surdas nos preocupa por três motivos: 1) a falta de interlocutores em potencial em Libras, nesse período de restrições comunicativas, e seus efeitos para a aquisição da língua de sinais já tardiamente, 2) a falta de informação diante às barreiras linguísticas entre pais e filhos surdos e por fim, 3) a falta de materiais para entretenimento dessas crianças em língua de sinais.

Com esses argumentos justificados, a atividade de extensão propõe duas ações distintas, ou duas frentes: a) a tradução de mídias digitais (com janela em Libras) e criação de materiais didáticos em Libras (traduzidos e produzidos); b) a produção de mídias com contações de histórias em Libras (de modo lúdico, numa interatividade virtual) com proposta de adesão de novos parceiros (contadores de histórias em Libras) com a divulgação da #CasaLibras - Levando a Libras na Casa de Crianças Surdas.

As duas atividades se darão como forma de entretenimento às crianças surdas e estímulo ao contato com essa língua (Libras) em casa e depois, se interesse dos docentes, usados (os produtos) nas escolas. Espera-se como resultado uma melhora na interação de crianças surdas com a Libras, virtualmente, que consigamos passar informações sobre a pandemia e a situação de isolamento atual, já que muitos surdos não conseguem dialogar com seus pais, pela barreira linguística, além de propiciar um grupo de histórias infantis em Libras, contadas por pessoas que farão adesão ao projeto, como proposta de produção de distração e entretenimento ao público infantil surdo.

RESULTADOS DA ATIVIDADE:
Produção de mídias digitais com materiais didáticos traduzidos para o público infantil surdo (voltados à Covid -19) e produção de mídias com histórias infantis que serão liberadas no Canal TILSP, às terças e sextas, bem como publicadas no site do curso TILSP.

QUEM PODE PARTICIPAR:
Alunos do curso TILSP interessados na temática e que possam contribuir com a tradução (voz) das histórias que temos recebido da ação #CasaLibras bem como a tradução (libras) caso tenhamos mais materiais didáticos, a princípio traduziremos 3 produtos que já foram autorizados pelos autores da produção original. Estamos produzindo a versão em Libras. Então basicamente seria atividades nestas duas direções. Atividade de extensão (voluntária) – O coordenador certificará o participante ao final da atividade com as horas de atuação na mesma.

Contato para participação:

(Aos interessados enviar e-mail para ajuste das ações).

[Contação de Histórias Infantis]


[Tradução de Materiais Didáticos]


EQUIPE DE TRABALHO:


COORDENADORA: Profa. Dra. Dra.Mariana de Lima Isaac Leandro Campos
DOCENTES PARTICIPANTES: Prof. Ms. Guilherme Nichols e Profa. Ms. Raissa Siqueira Tostes
TÉCNICOS AUDIOVISUAIS: Regina Torres e Rodrigo Vecchio Fornari
TRADUTORES E INTÉRPRETES DE LIBRAS: SETILS


RESUMO DA ATIVIDADE:

O presente projeto de atividade de extensão tem o propósito de passar as informações em Libras à comunidade surda sobre o Covid-19 garantindo às pessoas surdas a compreensão e proteção adequada contra esse vírus e tomar medidas certas, evitando o adoecimento e contágio. O desenvolvimento dessa ideia se deu ao fato de os surdos brasileiros terem o direito linguístico conforme Lei de Libras n.10.436/2002, de expressar e receber informações em Libras, mas a grande parte deles não tem acesso a informações corretas sobre o novo coronavírus e suas medidas de prevenção. Apesar de haver o reconhecimento da profissão de tradutor e intérprete de Libras/Língua Portuguesa, em 2010, e a obrigação da presença desse profissional em todo pronunciamento oficial do poder público conforme Lei Brasileira de Inclusão n.13.146/2015, muitas das mídias jornalísticas e políticas não contam com essa acessibilidade para surdos. Também, não devemos nos furtar de uma outra questão que é a existência de diversidade na surdez, isto é, surdos falantes da Libras, surdos bilíngues, surdos oralizados e surdocegos.

Os materiais informativos serão por meio de vídeos com diferentes dinâmicas em datas diferentes que contará com três formatos: 1) pergunta/resposta; 1) dicas e informes; e 3) respostas às dúvidas de comunidade surda. As informações serão difundidas nas redes sociais, facebook e instagram, e site do curso de TILSP (Tradução e Interpretação em Libras/Língua Portuguesa). Nesse sentido, espera-se que a produção de Covid-19 em Libras chegue de forma clara e didática para todos os surdos e surdocegos, o que seria um material de apoio informativo, linguístico e cultural.

Os vídeos serão publicados nas redes sociais nas segundas-feiras, quartas-feiras e sextas-feiras a partir do meio dia.

OBJETIVOS DA ATIVIDADE:
- produzir materiais informativos e objetivos em Libras sobre Covid-19, com base nas informações dos links de secretarias de saúde;
- comunicar, informar e orientar diretamente à comunidade surda por meio da língua de conforto, que é a Libras como a primeira língua sem passar por português.

RESULTADOS DA ATIVIDADE:
Produção de materiais informativos e objetivos em Libras sobre Covid-19, todos acessíveis ao público alvo do projeto: pessoas surdas e surdocegas falantes da Libras; e pessoas com deficiência auditiva; familiares e professores de surdos, tradutores e intérpretes de Libras/Língua Portuguesa. E comunicação, informação e orientação diretamente à língua de conforto, que é a Libras como a primeira língua sem passar por português.

QUEM PODE PARTICIPAR:
Alunos do curso TILSP/UFSCar interessados na temática e que possam contribuir com a tradução em voz e/ou legenda dos materiais produzidos pelos docentes responsáveis deste projeto, transcrição de materiais sem legenda (texto oral para texto escrito).

CERTIFICADO:
A atividade de extensão é voluntária e a coordenadora certificará o participante ao final da atividade com as horas de atuação das traduções.

Contato para participação:



EQUIPE DE TRABALHO:


COORDENADOR: Prof. Dr. Cássio Florêncio Rubio
RESUMO DA ATIVIDADE:
A atividade tem por objetivo principal proporcionar aos participantes uma visão crítica sobre as inúmeras notícias que circulam nas mais variadas mídias digitais na atualidade, principalmente relacionadas à pandemia do coronavírus. Serão realizados debates dirigidos via mídia digital (principalmente, pelo whatsapp, aplicativo de smartphones) sobre os mais variados aspectos que se relacionam às notícias, com o intuito de oferecer ferramentas de checagem capazes de coibir a divulgação das chamadas fake News. Trata-se de uma atividade dinâmica, pois lida com informações criadas e atualizadas diariamente, portanto o conteúdo de debate também será proposto diariamente, com base no conteúdo virtual acessado.

MEIO DE ACESSO À ATIVIDADE DE EXTENSÃO:
WHATSAPP e e-mail (apenas para os que não possuírem o Whatsapp). Será criado um grupo no aplicativo, com todos os interessados na atividade.

DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE:
Cronograma (ainda que haja uma proposta de cronograma, alterações podem ser propostas, com base na dinamicidade de conteúdo acessado)
1. Introdução à temática – o que é fake News? Como surgiu? Histórico
2. Casos emblemáticos de Fake News sobre outros temas e consequências de sua difusão
3. Como avaliar uma notícia? Quais os meios? Que elementos investigar? Procurando pistas...
4. Por que repassamos Fake News? O contexto da notícia?
5. As possíveis origens de uma fake News?
6. A Fake News nossa de cada dia – analisando notícias
7. A Fake News nossa de cada dia – o combate à desinformação
8. A Fake News nossa de cada dia – produzindo as “true News”

FORMA DE PARTICIPAÇÃO E DE AVALIAÇÃO:
Para participar da atividade, basta ter acesso ao Whatsapp (e-mail, caso não tenha acesso ao Whatsapp);
Haverá o envio de pequenos textos para leitura e debate, que será feito em grupo de discussão no aplicativo (a atividade é bastante prática, portanto, não há textos teóricos);
Haverá participação ativa e compartilhamento de material por todos os participantes;
Não há avaliação formal ou escrita e a avaliação de participação se faz pelo engajamento nas discussões;

FORMAS DE RETORNO À COMUNIDADE:
Com base no fato de que as fake News circulam, principalmente, pelo aplicativo de smartphone Whatsapp, o resultado dos debates e a avaliação da veracidade ou não do conteúdo será compilada e também repassada pelo mesmo meio digital, proporcionando o combate com a mesma ferramenta de propagação das informações falsas. É importante que o grupo apresente propostas acessíveis do conteúdo avaliado, com base, inclusive, na acessibilidade evidenciada na própria fake News. Em outras palavras, se a fake News emprega fácil acesso, sua contrapartida, a “true News”, também deve empregar.

PÚBLICO-ALVO INTERNO:
Estudantes do TILSP, principalmente, das turmas iniciais (019 e 020), que ainda não tiveram contato com todas as disciplinas de Leitura e Produção de Texto.
PÚBLICO ALVO EXTERNO – comunidade acadêmica da UFSCAR e também comunidade em geral.

INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS PARA INSCRIÇÃO NA ATIVIDADE:
Envio de nome completo, informação se se trata de estudante do curso ou não (se sim, de que turma – se não, pequeno resumo de informações pessoais e profissionais), número do whatsapp e e-mail pessoal.

Contato para participação:

EQUIPE DE TRABALHO:


COORDENADORAS:
Profa. Dra. Diléia Aparecida Martins (UFSCar)
Profa. Ms. Érika Tavares (Doutoranda do PPGE UFSCar e Docente da Universidade Federal de Lavras)

RESUMO DA ATIVIDADE:
Núcleo Ubuntu Libras tem desenvolvido suas ações com instituições parceiras e optamos nesse momento por um tema gerador que é o Ubuntu. Este, alude ao pertencimento ao coletivo e ao cuidado que devemos ter com nossa vida e com a vida do outro especialmente nesse momento já que estamos enfrentamos o Covid-19, Ubuntu tem essa dimensão de cuidado e de coletividade que passa pelo individual, mas que é totalmente comunitária.

É parte do projeto de extensão “Ensino da História da África e da Cultura Africana e Afro-Brasileira em Língua Brasileira de sinais”. Está ligado ao “Núcleo de Estudos e Pesquisas em Tradução, Interpretação e Educação para o Antirracismo em contextos sociolinguísticos de línguas de sinais” (Modalidade Programa de Extensão Universitária - Proex UFSCar nº 23112.005105/2020-45).

Une estudantes de graduação, pós-graduação, profissionais da Universidade Federal de São Carlos, Universidade Federal de Lavras, Universidade Federal de Juiz de Fora e Prefeitura Municipal de Juiz de Fora etc. O foco está na produção de materiais bilíngues, tradução de contos, histórias e narrativas embasadas na filosofia africana, apresenta a importância do cuidado do Ori (saúde mental e espiritual), bem como da natureza e da vida. Se dedica aos valores que promovem a humanização, a empatia e o respeito.

Esse projeto permanente é coordenado pelas professoras Diléia Aparecida Martins da Universidade Federal de São Carlos e Érika Tavares doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de São Carlos e docente da Universidade Federal de Lavras.

NOSSO ROTEIRO:

TEMA GERADOR 1: UBUNTU
Ubuntu: Ideologia Africana

TEMA GERADOR 2: IDENTIDADE
O cabelo de Lele
Meninas Negras
As tranças de Bintou

Próximo Encontro: 27 de abril de 2020 – GOOGLE MEET ou ZOOM

Participe do grupo no Whats * Comunicação em Libras * https://chat.whatsapp.com/CZsuyVyIIV6Lun2G4U22Lg

Os interessados poderão se cadastrar preenchendo o Formulário de Inscrição

Ou enviar um e-mail para

EQUIPE DE TRABALHO:


COORDENADOR: Prof. Dr. Marcus Vinícius Batista Nascimento
APRESENTAÇÃO E JUSTIFICATIVAS
O contexto emergencial atual do avanço da pandemia do novo coronavírus, causador da Covid-19, tem mobilizado diferentes setores da sociedade para a orientação quanto à higiene, imunização, prevenção, e cuidados com a saúde a fim de evitar a rápida disseminação da doença e o colapso do sistema de saúde brasileiro. Ao mesmo tempo, uma infinita quantidade de informações falsas tem circulado confundindo a população sobre a necessidade do isolamento social, os cuidados preventivos e sobre o próprio coronavírus. Por isso, um grupo de professores de diferentes departamentos, técnicos administrativos e alunos da UFSCar se uniram a fim de criar um espaço democrático de informações com embasamento científico para permitir aos cidadãos brasileiros a possibilidade de ampliar seus conhecimentos a partir de uma base de dados confiável. A plataforma InformaSUS-UFSCar (https://www.informasus.ufscar.br/), coordenada pelo Prof. Dr. Gustavo Nunes de Oliveira, do Departamento de Medicina, via projeto de extensão “Comunicação Social no Contexto da Covid-19” (Processo ProExWeb: 23112.007064/2020-21), se propõe como um espaço de organização, checagem e produção de conteúdos para imprensa, internet e mídias sociais, qualificando a informação disponibilizada ao público e auxiliando no controle da pandemia e combate às notícias falsas.

A fim de ampliar o acesso das informações disponibilizadas na plataforma para os não falantes de língua portuguesa, o site contará com a tradução dos conteúdos para outras línguas e dentre elas a língua brasileira de sinais (Libras) utilizada pelas comunidades surdas no Brasil. Boa parte das informações oficiais sem relação à pandemia tem circulado via meios de comunicação audiovisual como televisão e rádio e apesar da internet ser uma constante fonte de busca de informações, comunicados oficiais do governo federal e do Ministério da Saúde tem sido transmitido pelas redes midiáticas concessionárias. No caso das redes televisivas, não há a presença de tradutores e ou de intérpretes de Libras que realizem a tradução e a interpretação de alguns conteúdos como entrevistas, debates e orientações para a população surda, excetuando-se os vídeos oficiais de propaganda encabeçados pelo governo. A ausência de acessibilidade linguística para surdos em Libras faz com que essa população fique à margem das informações oficiais e confiáveis os deixando mais suscetíveis às notícias falsas, visto que muitos surdos não são proficientes na língua portuguesa que é considerada, conforme legislação vigente (Lei 10.432/02; Decreto 5.626/05; Lei 13.146/15), a segunda língua dessa população. Por isso, essa atividade visa democratizar informações sobre a pandemia do novo coronavírus para os surdos brasileiros na plataforma InformaSUS-UFSCar por meio da tradução dos conteúdos para a Libras.

OBJETIVOS:
Esta atividade tem por objetivo realizar a tradução dos conteúdos disponibilizados na plataforma InformaSUS-UFSCar (https://www.informasus.ufscar.br/) para a língua brasileira de sinais (Libras) a fim de tornar acessível para a população surda informações sobre a pandemia do COVID-19 causada pelo novo coronavírus.

OUTRAS INFORMAÇÕES PERTINENTES:
A tradução será realizada por uma equipe composta de alunos, docentes e técnicos do curso de Bacharelado em Tradução e Interpretação em Libras e Língua Portuguesa como parte das ações da UFSCar no combate ao novo coronavírus. O processo de tradução, edição e finalização será realizado via Laboratório de Tradução Audiovisual da Língua de Sinais (Latravilis) do Departamento de Psicologia (DPsi).

PRÉ-REQUISITOS:
As atividades se organizam em três frentes:
- Tradução do conteúdo do site;
- Tradução da série COVID-19 PERGUNTAS E RESPOSTAS para o Laboratório Aberto de Interatividade para Disseminação do Conhecimento Científico e Tecnológico (LAbI – UFSCar) - COVID-19 PERGUNTAS E RESPOSTAS
- Pesquisa terminológica e gestão da equipe.

Para as duas primeiras frentes é necessário fluência intermediária em Libras. Os alunos serão supervisionados por docentes e técnicos no processo de tradução. Para a última frente é necessária a fluência básica da língua.

Os participantes ganharam certificado de participação.

Contato para participação:



[Série COVID-19 - Perguntas e Respostas]


A filosofia da diferença, sobretudo baseada nos autores Michel Foucault e Gilles Deleuze,tem contribuído substancialmente nos estudos e pesquisas no campo da surdez (MARTINS, 2008, 20013, 2016; MACHADO, 2016). No entanto, na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) é uma área de conhecimento ainda em expansão. Com a demanda recente de aprofundamento nesta área de conhecimento, feita por alunos ingressantes ao programada de pós-graduação em Educação Especial, cujas pesquisas adotam a filosofia da diferença e a surdez, o grupo de estudo proposto visa oferecer ferramentas conceituais sobre o pensamento de Michel Foucault e Gilles Deleuze e suas contribuições na educação de surdos.

Coordenador: Profa. Dra. VANESSA REGINA DE OLIVEIRA MARTINS

Vigência do projeto: 14/03/2018 à 11/07/2018
Desde a Lei 10.098/00 a demanda por acessibilidade comunicacional para surdos vem crescendo exponencialmente. Com o advento da Lei de Libras (10.436/02) e sua devida regulamentação pelo Decreto 5.626/05, os surdos têm a oportunidade de acessar espaços sociais de diferentes esferas por meio de uma política inclusiva, educacional e linguística que garante o uso de sua língua por meio de práticas tradutórias e interpretativas.

Recentemente, a Lei Brasileira da Inclusão, 13.146/15, que criou o Estatuto da Pessoa com Deficiência, ampliou o acesso dessa comunidade para materiais audiovisuais ao determinar, no seu 67º artigo, que "os serviços de radiodifusão de sons e imagens devem permitir o uso dos seguintes recursos, entre outros:
I) subtitulação por meio de legenda oculta;
II) janela com intérprete da Libras;
III) audiodescrição". No capítulo IV, Do Direito à Participação na Vida Pública e Política, em seu artigo 76, a LBI salienta que "o poder público deve garantir à pessoa com deficiência todos os direitos políticos e a oportunidade de exercê-los em igualdade de condições com as demais pessoas" e no item III deste mesmo artigo a lei diz, ainda, que o poder público deve promover essa participação por meio da "garantia de que os pronunciamentos oficiais, a propaganda eleitoral obrigatória e os debates transmitidos pelas emissoras de televisão possuam, pelo menos, os recursos elencados no art. 67 desta Lei".

Somado à nova realidade implantada pela LIB, a Agência Nacional do Cinema (ANCINE) emitiu, em 2016, uma Instrução Normativa (I.N. Nº. 128) com normas e critérios básicos de acessibilidade visual e auditiva a serem observados nos segmentos de distribuição e exibição cinematográfica. No artigo 3º da I.N pode-se ler que "as salas de exibição comercial deverão dispor de tecnologia assistiva voltada à fruição dos recursos de legendagem, legendagem descritiva, audiodescrição e LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais".

O uso dos três recursos configura a aplicação do princípio da redundância que visa estabelecer, conforme descrevem Torres e Mazzoni (2007, p. 77), que "informação acessível é aquela que pode ser captada de forma multissensorial". Esse princípio prevê, portanto, que os recursos de acessibilidade apontados pela instrução normativa da ANCINE não apenas podem como devem ser oferecidas aos diferentes telespectadores brasileiros. A decisão da ANCINE foi importante para a ampliação dos públicos surdo, cego, deficiente auditivo e deficiente visual à produção cultural audiovisual cinematográfica.

Diante dessa demanda, faz-se necessário que a universidade, sobretudo as que se dedicam à formação de tradutores e de intérpretes de Libras e Língua Portuguesa, dialoguem com as produtoras e ofereçam os serviços de tradução e interpretação de Libras em materiais audiovisuais em uma dupla direção: (i) como forma de espaço formativo para os estudantes do campo; e (ii) como forma de garantir a acessibilidade em materiais audiovisuais determinada pela legislação e demandada pela comunidade surda.

O objetivo desta atividade é atender a demanda de acessibilidade linguística para surdos em materiais audiovisuais por meio da tradução da língua brasileira de sinais.

Coordenador: Prof. Dr. MARCUS VINICIUS BATISTA DO NASCIMENTO

Vigência do projeto: Vigência: 01/8/2017 à 01/8/2018
A Profa. Ms. Janaina Cabello é Coordenadora do Programa de Extensão: Educação de surdos e tecnologias: reflexões e ações de formação, que tem como objetivo articular questões relacionadas à educação de surdos e às potencialidades das tecnologias digitais, considerando a necessidade de desenvolvimento de estratégias diferenciadas para a educação de surdos e a imprescindibilidade em garantir e incentivar a democratização do saber em seus diversos contextos. Tem como referencial teórico base a educação bilíngue para surdos e a comunicação e a produção de significados que se dá por meio dos vários recursos semióticos e linguísticos, em diferentes modalidades, e que estão em interação nas plataformas digitais.

ATIVIDADES DE EXTENSÃO
Produção de janela de Libras: processo tradutório e gravação
Esta atividade tem por objetivo fazer a tradução para a Libras das entrevistas em vídeo dos professores do curso de Bacharelado em Tradução e Interpretação Libras/Língua Portuguesa concedidas ao canal de divulgação científica Click Ciência. Serão realizados encontros de estudo do material das entrevistas (transcrição) e para a preparação da gravação do conteúdo em Libras. A atividade pretende contribuir para a formação dos alunos do curso TILSP, aprimorando suas práticas tradutórias, bem como tornar acessível às pessoas surdas as informações sobre o trabalho realizado pelos docentes do curso TILSP em diversas esferas envolvendo a Libras e o campo da surdez.

Grupo VISTEC - Grupo de Estudos em Visualidade, Surdez e Tecnologias
VISTEC é um Grupo de Estudos que pretende promover reflexões entre estudantes e profissionais que se interessam pela questão maior da educação de surdos e pelo uso de tecnologias digitais e produção de materiais para o ensino.

Coordenadora: Profa. Ms. JANAINA CABELLO

A Libras foi reconhecida tardiamente como meio de comunicação e expressão das pessoas surdas em 2002 pela Lei n.10436, e posteriormente Decreto 5626/2005 e muitos surdos não tiveram acesso a materiais para conhecimento do mundo devido a precariedade de publicações e livros adaptados em sua língua como L1. Essa atividade teve a iniciativa de criar um dicionario de verbos em Libras para que as pessoas surdas possam compreender as diferentes estruturas semânticas para uma melhor comunicação e conhecimento; também terem acesso ao conhecimento dos verbos e entender-compreender a diferença entre a Libras e a Língua Portuguesa. Também auxiliara profissionais professores e interpretes do ensino médio e superior, e familiares.

Coordenadora: Profa. Ms. REGIANE PINHEIRO AGRELLA

Vigência do projeto: 01/03/2017 à 01/11/2018
O objetivo desta atividade é explorar as potencialidades do ELAN (software de transcrição de dados multimodais desenvolvido pelo Max Planck for Psycolinguistics) como ferramenta de aprendizagem e aperfeiçoamento da libras para alunos do curso TILSP, futuros tradutores e intérpretes de libras/português. Por meio dessa ferramenta, os alunos poderão assistir aos vídeos sinalizados na velocidade que desejarem e registrar informações relevantes, possibilitando, em um segundo momento, o rápido acesso aos dados anotados. A atividade consistirá em discutir, a cada encontro, usos possíveis da ferramenta e em realizar atividades práticas de transcrição no laboratório de informática. Os vídeos transcritos serão salvos em um banco de dados e estarão disponível para consulta futura.

Coordenador: Prof. Ms. JOÃO PAULO DA SILVA

Vigência do projeto: 17/04/2017 à 18/12/2017
Este projeto visa reunir professores, alunos, interpretes e surdos interessados para estudar, ensaiar aspectos culturais e cênicos relacionados à cultura e língua de surdos (literatura surda, cultura surda, teatro surdo, vídeo). Estes estudos e ensaios irão propiciar melhor compreensão e apropriação sobre os aspectos acima e farão com que os atores amadores criem e apresentem espetáculos de teatro ou vídeo cultural. Portanto, este projeto tem-se dois objetivos: - estudar, conhecer e compreender os aspectos culturais e cênicos relacionados à cultura surda e língua de sinais; - apresentar espetáculos de teatro ou vídeo cultural para a sociedade tomar conhecimento da diferença cultural, linguística e identitária.

Coordenador: Prof. Ms. RIMAR RAMALHO SEGALA

Vigência do projeto: 18/10/2016 à 30/11/2017
Atualmente no Brasil boa parte dos pacientes surdos se submetem a atendimentos que desprezam a complexidade das interações médicas e os riscos que a troca ineficaz de informações nesses eventos pode trazer a saúde do paciente. Mediante as barreiras comunicacionais que resultam no não atendimento desse paciente pretende-se favorecer o acesso da pessoa surda ao sistema de saúde por meio da inserção de discentes do curso de bacharelado em tradução e interpretação Libras/Língua Portuguesa no hospital escola situado no município de São Carlos. Para isso, se prevê a interação com os profissionais da saúde e observação dos casos clínicos em que se estabelecem as relações entre pacientes e funcionários do hospital.

Coordenadora: Profa. Dra. DILÉIA APARECIDA MARTINS

Vigência do projeto: 01/11/2016 à 01/11/2017
A atual Política Nacional de Educação preconiza que todas as crianças em idade escolar devem ser inseridas em escolas regulares. No caso de alunos surdos são necessários maior atenção e ajustes para alcançar igualdade de atendimento, visto que utilizam e têm como primeira língua a Libras - Língua Brasileira de Sinais. O profissional que possibilita o acesso às informações e conteúdos curriculares no espaço escolar é o Tradutor e Intérprete de Libras (TILS), ou Intérprete Educacional (IE), como é referido em algumas pesquisas. Sua presença é obrigatória a partir da segunda etapa do Ensino Fundamental, em escolas com proposta de Educação Bilíngue para surdos, de acordo com o Decreto Federal 5.626/2005. Todavia, por se tratar de uma medida recente, há ainda poucos cursos de formação em nível de graduação vigentes em nosso país e, consequentemente, os profissionais que assumem esta função acabam realizando sua formação "em serviço". Assim sendo, o objetivo do presente projeto é acompanhar Intérpretes Educacionais, em atuação em um Programa Educacional inclusivo e bilíngue para surdos, desenvolvido no município de São Carlos/SP, em reuniões periódicas de formação continuada, a fim de identificar e analisar necessidades e aspectos formativos urgentes, que venham a colaborar para sua prática em sala de aula. Para tanto, as reuniões do grupo serão documentadas através de registros em diários de campo e videogravações, que serão utilizados para reflexões, formação, análises e avaliações da efetividade da prática realizada. Como resultados, pretende-se realizar um levantamento das necessidades formativas e proporcionar reflexões aprofundadas sobre o tipo de formação desejável para este profissional.

Coordenadora: Profa. Dra. LARA FERREIRA DOS SANTOS

Vigência do projeto: 10/09/2017 à 20/12/2017
A filosofia da diferença, sobretudo baseada nos autores Michel Foucault e Gilles Deleuze,tem contribuído substancialmente nos estudos e pesquisas no campo da surdez (MARTINS, 2008, 20013, 2016; MACHADO, 2016). No entanto, na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) é uma área de conhecimento ainda em expansão. Com a demanda recente de aprofundamento nesta área de conhecimento, feita por alunos ingressantes ao programada de pós-graduação em Educação Especial, cujas pesquisas adotam a filosofia da diferença e a surdez, o curso proposto visa oferecer ferramentas introdutórias sobre o pensamento de Michel Foucault e Gilles Deleuze e suas contribuições na educação de surdos.

Coordenadora: Profa. Dra. VANESSA REGINA DE OLIVEIRA MARTINS

Vigência do projeto: 21/09/2016 à 15/12/2017
O projeto de extensão Vestibular Surdo pretende efetivar ações relativas ao ensino bilíngue Libras/Língua Portuguesa no curso pré-vestibular da UFSCar implantado e desenvolvido sob responsabilidade do Núcleo de Extensão UFScar-Escola/PROEX. Objetivos gerais: (1) contribuir para o acesso de estudantes surdos ao Ensino Superior Público e (2) propiciar a formação de professores e intérpretes de Libras (estudantes de graduação da UFSCar). O Vestibular Surdo é um projeto que se efetivará pela oferta de vagas no cursinho pré-vestibular da UFSCar para pessoas surdas residentes no município de São Carlos região, falantes de Libras cursando ou concluintes do ensino médio. Para isso, contará com a atuação de alunos de graduação do curso de bacharelado em tradução e interpretação Libras/Língua Portuguesa e de alunos de cursos de licenciatura aprovados na disciplina Língua Brasileira de Sinais. A gestão está a cargo da coordenação do Núcleo de Acessibilidade da UFSCar profa. Dra. Rosemeire Orlando e da Coordenadora da comissão pro-acessibilidade profa. Ms. Diléia Ap. Martins Briega.

Coordenador: Profa. Dra. DILÉIA APARECIDA MARTINS

Vigência do projeto: 02/05/2016 à 30/11/2016
A presente atividade objetiva oferecer formação em serviço para profissionais da escola Municipal, EMEB - Dalila Galli, situada no município de São Carlos, que atuam diretamente na escolarização de alunos surdos. Esta é uma escola bilíngue que vem sendo acompanhada em programa de formação de escolas Polos bilíngues para surdos por docentes e pesquisadores da UFSCar (na figura da professora Cristina Lacerda). Como ainda há precariedade de formação específica para profissionais, professores bilíngues (Libras/Português), instrutores surdos e intérpretes de língua de sinais educacional, a formação continuada na escola passa a ser tarefa importante e que deve ser responsabilidade da universidade pública, conforme aponta o Decreto 5.626/05. No semestre passado desenvolvi uma atividade de extensão nesta escola (N° do processo: Nº. processo:23112.002564/2015-18) que visava atender a formação de intérpretes de língua de sinais, no que tange a circulação da língua de sinais na escola, bem como a produção de materiais. Como demanda desta atividade, ao final do semestre, os participantes solicitaram formação continuidade por meio de curso de Libras específico para o contexto escolar. Deste modo, esta atividade tem este intuito, de atuar e contribuir com a melhora do uso da língua de sinais na educação de alunos surdos. A atividade será aberta para profissionais da escola bilíngue, especificamente, mas não limita-se a este público, podendo participar demais profissionais que tenha interesse pelo aperfeiçoamento da Libras para uso no contexto escolar, em geral. Portanto, alguns intérpretes da UFSCar poderão participar, sendo convidados.

Coordenador: Profa. Dra. VANESSA REGINA DE OLIVEIRA MARTINS

Vigência do projeto: 01/03/2016 à 10/12/2016
A presente atividade objetiva oferecer formação em serviço para profissionais da escola Municipal, EMEB - Dalila Galli, situada no município de São Carlos, que atuam diretamente na escolarização de alunos surdos. Esta é uma escola bilíngue que vem sendo acompanhada em programa de formação de escolas Polos bilíngues para surdos por docentes e pesquisadores da UFSCar. Como ainda há precariedade de formação específica para profissionais, professores bilíngues (Libras/Português), instrutores surdos e intérpretes de língua de sinais educacional, a formação continuada na escola passa a ser tarefa importante e que deve ser responsabilidade da universidade pública, conforme aponta o Decreto 5.626/05. As universidades federais que contam desde 2005 com um Programa denominado Incluir que visa promover a inclusão de estudantes com deficiência na educação superior e a garantia de condições de acessibilidade nas Instituições Federais de Educação Superior. O Incluir é executado por meio da parceria entre a Secretaria de Educação Superior - SESu e a Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão – SECADI. Com o apoio do Incluir as universidades podem criar e consolidar núcleos de acessibilidade responsáveis pela organização de ações institucionais para a inclusão de pessoas com deficiência, eliminação de barreiras pedagógicas, arquitetônicas e na comunicação e informação, promovendo o cumprimento dos requisitos legais de acessibilidade.

Coordenador: Profa. Dra. DILÉIA APARECIDA MARTINS

Vigência do projeto: 04/04/2016 à 15/12/2016
O presente grupo tem por objetivo reunir pesquisadores, docentes, discentes, tradutores, intérpretes e demais interessados na Língua Brasileira de Sinais (Libras), tanto da comunidade interna como externa à universidade, para o estudo desta língua a partir das contribuições dos filósofos Mikhail Bakhtin e Michael Foucault. O grupo se reunirá mensalmente para debater, em Libras, os textos desses autores focando, sobretudo, nos conceitos de língua, linguagem, enunciado, interação, comunicação, poder e diferença. Por meio da leitura prévia de textos autorais, será feita a discussão teórica, bem como a observação e análise de situações de uso da língua de sinais em diferentes contextos sócio-históricos. Espera-se que, para além do aprofundamento das questões teóricas dos dois autores, o grupo construa conhecimento em Libras por meio da criação de léxico específico das teorias discutidas nesta língua a fim de fortalecer o seu uso no âmbito acadêmico-científico.

Coordenador: Prof. Dr. MARCUS VINICIUS BATISTA NASCIMENTO

Vigência do projeto: 16/03/2016 à 22/06/2016 | 20/08/2015 à 10/12/2015
Considerando as Políticas Públicas atuais – a saber: Lei 10.098/00, Lei 10.436/02 e Decreto 5.626/05 - que garantem acessibilidade às pessoas surdas em todos os espaços sociais, o uso e difusão da Libras pelas comunidades surdas, acesso aos serviços de saúde e o direito à educação bilíngue, o tradutor e intérprete de Libras-Língua Portuguesa mostra-se indispensável para garantir a inclusão social e educacional de pessoas surdas. Neste sentido, atividades de formação inicial e continuada voltadas para este profissional tem se tornado frequente em todo território nacional. Para viabilizar esta formação, serão propostos dezesseis encontros semanais com duração entre 4h30 e 6h, a serem realizados na Associação de Surdos de Ribeirão Preto.

Coordenador: Intérprete de Libras: JOYCE CRISTINA SOUZA ALMEIDA

Vigência do projeto: 09/01/2016 à 30/04/2016
O projeto CINESURDO tem como objetivo exibir filmes que abordam as questões da diferença, da identidade e da cultura de grupos minoritários nos dias de hoje. Após a apresentação dos mesmos haverá debates contextualizando estas questões no mundo surdo. Pretendemos realizar o encontro do CINESURDO em São Carlos, uma vez por mês, a fim de proporcionar aos surdos, dessa comunidade, o acesso à língua, à cultura e às discussões sobre a problemática da diferença e às informações relacionadas ao nosso cotidiano. Tal encontro é de suma importância para surdos reconhecer a identidade surda, a língua e a problematização social existente. O local seria no auditório da educação especial ou no SESC que pretendo fazer uma parceria, pois surdos são frequentes de lá.

Coordenador: Profa. Dra. MARIANA DE LIMA ISAAC LEANDRO CAMPOS

Vigência do projeto: 15/07/2015 à 04/07/2016
A educação de surdos tem sido pensada atualmente na perspectiva da educação inclusiva. No entanto, para que esta ação ocorra de forma inclusiva, de fato, há que se propor mudanças escolares na busca de uma escola bilíngue (Libras (língua brasileira de sinais)/ Língua Portuguesa). Em muitas escolas de educação básica, a inclusão de surdos tem sido suprida com a entrada de intérpretes de língua de sinais educacional; porém muitos destes profissionais adentraram ao espaço escolar sem uma formação específica. Como a oferta de formação a nível de graduação na área de tradução e interpretação em Libras é algo bem recente no Brasil, a formação continuada, ou seja, em serviço, é um caminho possível e que tem trazido bons resultados, tanto para os sujeitos que estão em formação, quanto para os alunos surdos e, como resultado final, para a escola que recebe estes novos profissionais em seu quadro de funcionários, e tem que pensar em estratégias formadoras constantemente. Deste modo, esta atividade de extensão vem ao encontro desta demanda: acompanhar e oferecer, num tempo combinado na escola, a formação de intérpretes educacionais que atuam na escola municipal - EMEB Dalila Galli - inclusiva bilíngue em São Carlos; como consequência a formação parceira de professores que atuam no ensino fundamental II e que trabalham em parceria aos intérpretes educacionais na acolhida de alunos surdos.

Coordenador: Profa. Dra. VANESSA REGINA DE OLIVEIRA MARTINS

Vigência do projeto: 15/06/2015 à 15/12/2015

Contato Coordenação

Telefone:16 3306 6894
Email: libraslp.ufscar@gmail.com
Website: www.tilsp.ufscar.br

Contato SeTILSP

Serviço de Tradução e Interpretação
de Libras/ Língua Portuguesa
Telefone:16 3306 6893
Email: setils.ufscar@gmail.com

Endereço

Universidade Federal de São Carlos
Departamento de Psicologia
Coord. do Curso de Bacharelado em Tradução e Interpretação em Libras/Língua Portuguesa
Rod. Washington Luís, km 235 (SP-310)
São Carlos/SP - CEP 13565-905